segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Acerca do escrever

O poeta sabe ser só, faz da solidão sua tenra morada. Na companhia de um cigarro, um quarteirão e mais outro.Vive uma busca constante, uma dor vibrante, um sorriso esporádico.
Alegria? Nada além de um intervalo que o deixa assim, e logo ele a deixa,pois a felicidade é algo que o impede de pensar, o deixa bobo, algo pelo qual as vezes se deixa levar por nada, talvez uma fantasia de um grande amor. Talvez.
E é assim, sem rima, sem métrica, sem prosa e sem verso que ele descansa, e alcança sua breve tranqüilidade, na paz de sua voluntária desvaidade.

3 comentários:

  1. Quem tem a manha, tem. :)

    Beijos, marreco

    ResponderExcluir
  2. Faz uma dupla com o Eric. Vocês se encaixam direitinho como compositores.

    ResponderExcluir
  3. Lembrei de um livro que tenho chamado "O lugar do escritor". Mesmo sendo, por assim dizer, processos diferentes, tem uma passagem que gosto muito, porque me traz pra realidade e me desloca um pouco do estar só.

    "Quando me fecho no gabinete, ninguém me aperreia.Consegui impor esse respeito pelo meu trabalho. Outro dia um dos meus netos começou a chorar enquanto eu escrevia. Não havia mais ninguém em casa, então o peguei no colo e fiquei brincando com ele. Foi bom. Percebi que aquela invasão da realidade era mais bonita qua a ficção que eu tentava escrever." Ariano Suassuna

    natali

    ResponderExcluir